Guia Fashion


Alexandre Herchcovitch, o enfant terrible da moda brasileira
julho 14, 2008, 1:25 am
Filed under: Sem Categoria

Alexandre Herchcovitch é hoje um dos maiores nomes da moda brasileira e figurinha carimbada no circuito paulistano. Formado pela tradicional faculdade de moda Santa Marcelina, foi em 1993 que Alexandre fez seu primeiro desfile e mostrou que nascia ali um dos maiores talentos da moda no Brasil.

 

De lá pra cá, não parou mais. Ganhou as passarelas das semanas de moda de São Paulo, Londres e Nova York, abriu uma loja em Tóquio e chegou a negociar sua marca com o grupo I’M.

 

A criatividade de Alexandre Herchcovitch vai além do mundo fashion. Ele foi fotógrafo do “Jornal da Tarde”, faz trabalhos como DJ, fez participações como ator e apresentador, é diretor artístico de faculdade de moda, escritor e fã de parque de diversões.

 

Conversamos com o Alexandre durante entrevista coletiva para alunos do curso ‘SPFW – Por Lílian Pacce’. Ele foi muito simpático e contou um pouco sobre sua carreira, sua marca e expectativas para o futuro.

 

Como são escolhidos os temas da suas coleções?

Existem alguns temas que gosto e que sempre gostei, mas não tenho, na verdade, regra para escolher. Trabalho há 15 anos em parceria com o consultor criativo Maurício Ianes e a gente discute durante o ano todo vários temas e quando chega a hora de escolher já temos algumas idéias. Geralmente são temas ligados a situações que eu gosto ou que já fiz e que tenham a ver com o universo da marca. Também pode acontecer de trabalharmos um tema completamente oposto como um grande desafio.

 

O que te inspira para suas coleções?

Depois que o tema foi escolhido, o que mais me inspira é a construção da própria roupa e o desafio de pensar a melhor maneira de expressar o tema através da peça, da escolha do tecido, da forma.

 

Qual é a identidade da marca Alexandre Herchcovitch?

A minha marca procura sempre mostrar novas maneiras de cobrir o corpo ou novas maneiras de expressão. Isso é basicamente o que pensamos quando criamos qualquer produto da marca. Buscamos sempre uma maneira nova de fazer uma calça, um vestido ou uma blusa, pois queremos sair do lugar comum, da normalidade.

 

As dificuldades do início da sua carreira são muito diferentes das dificuldades de hoje?

Dificuldade tem o tempo todo. Realmente elas são muito diferentes, mas continuam até hoje. São vários os níveis de dificuldades. Às vezes você quer um tecido e não o encontra, por exemplo. Mas não vejo essas coisas como um problema, porque as dificuldades você consegue solucionar. No começo, as dificuldades são aquelas que qualquer pessoa tem quando inicia em qualquer carreira. Logo que comecei, que lancei minha marca, o estilo dela ainda não estava formado e isso demorou um tempo. Não é que em 1993, eu fazia uma roupa com total clareza e objetividade como eu faço hoje. Demorou muito para a marca tomar uma cara, um formato. Fora as dificuldades bobas do dia-a-dia, a grande dificuldade é criar a identidade da sua marca.

 

Como foi sua trajetória internacional? Como tudo começou?

Foi de uma maneira bem caseira e intuitiva. Tenho uma amiga que morava em Nova York e quando ela usava minhas roupas algumas pessoas perguntavam de quem era. Em 1996 ela teve a idéia de vender minha marca lá. Conseguiu encontros com compradores de nove lojas e consegui vender para três. No ano seguinte fiz a mesma coisa em Londres com uma amiga que morava lá. Em 1998, decidi que deveria desfilar também fora do Brasil. Foi quando fiz meu primeiro desfile internacional, em Londres. Desde então, nunca deixei de apresentar minhas coleções aqui e fora do Brasil.

 

Qual o seu maior desejo para sua marca atualmente?

Eu tenho um sonho de profissionalizar a minha empresa. Esse talvez seja o sonho que eu mais estou perseguindo hoje. Cansei de ter uma empresa que não é completamente organizada e isso está me consumindo muito. Estou passando por um processo de profissionalização bastante sério e acho que é isso que vai fazer com que a marca consiga crescer daqui pra frente. Com isso, pretendo expandir meus negócios aqui no Brasil e fora também. Chega uma hora que se você não profissionaliza você fica por mais dez anos daquele tamanho.

 

Foi pensando neste processo de profissionalização que você chegou a negociar sua marca com a I’M?

Foi também. Porque eu percebi que sozinho não conseguiria fazer. Eu tenho know how criativo e de confecção, mas administrativo eu não tenho. Por isso, preciso de alguém. Para eu crescer preciso de recursos próprios, o que eu não tenho, então preciso me associar.

 

O que deu de errado nesse processo?

O que deu de errado é que eles não tinham dinheiro para pagar. Só isso. Esse foi o grande erro.

 

Há pouco tempo falou-se sobre uma nova associação com uma outra empresa. Em que pé está esse processo?

Eu não estou associado.

 



Balanço Fashion Rio – Verão 2009
junho 17, 2008, 5:53 pm
Filed under: Sem Categoria

Passei o final de semana na internet olhando as fotos e vídeos do Fashion Rio – Verão 2009. Confesso que não vi nada muito diferente do que já encontramos pelas ruas. As peças da próxima estação não são tão originais, mas continuam bonitas, coloridas e bem fáceis de misturar com o que compramos no verão passado.
Vi muito anos 70 – elementos aparecerem atualizados – especialmente nas calças, saias para todos os gostos (curtas, médias, longas, evasê, babados e etc.) e algumas inspirações para o Oriente, influenciados pelo centenário da imigração japonesa.
Cores fortes (já cansei!!!) e muita mistura de listras, florais, xadrezes e formas geométricas.
Gostei muito do desfile da Lenny que apresentou variações de alças e novos desenhos de costas para os maiôs e biquínis. Tudo muito lindo e sofisticado!
Hoje começa o SPFW. No final de semana estaremos lá para conferir tudo!!!!!



Peça básica?
junho 9, 2008, 2:13 am
Filed under: Sem Categoria

Sabe aquela peça básica que transforma qualquer look?  A nossa querida camisa está ganhando versões, cores e shapes para todos os gostos. Depois de clonada do guarda-roupa masculino ela nunca mais foi a mesma. Na atual coleção ela ganhou mangas bufantes e golas amplas. Pode aparecer com a cintura marcada ou não.

Adorei a matéria que foi publicada dia 25 de maio na revista Metrópole. A Daniela Nucci caprichou. (a foto acima faz parte da matéria).

A camisa pode ser usada em quase todas as ocasiões. Do trabalho para a festa a peça cai muito bem. Ela pode ser de todas as cores e tamanhos, com babados, bordados, apliques, mangas, enfim… para todos os gostos.

 



Amor: a grife que nunca sai de moda
junho 7, 2008, 3:34 pm
Filed under: Sem Categoria

 

 

Nem acredito que consegui assistir… Estava igual criança com a expectativa para ganhar um presente. Completamente ansiosa para assistir o filme “Sex and the City”. Além de tratar da amizade, amor, o filme mostra muita moda e grifes. Dá vontade ter tudo aquilo no guarda-roupa. O filme é um grande episódio e as quatro continuam fabulosas. Quase duas horas e meia de filme para matar a saudade do quarteto e rir muito. Nem é preciso dizer que os looks continuam lindos!!! Elas arrasam.

O longa mostra muito da vida de Carrie que está prestes a se casar com Big, mas também não deixa de lado a vida das outras três amigas, que continuam com suas manias, loucuras, conflitos e MUITO AMOR!!!! Feito para divertir, há também uma grande reflexão quanto às relações humanas.

 

 

 

 

 

 



Quero uma Perfecto!!!!
maio 20, 2008, 7:01 pm
Filed under: Sem Categoria

Em todas as revistas de moda só dá ela: a jaqueta de couro, imortalizada por Marlon Brando e James Dean, é item obrigatório desse inverno. Ela transforma qualquer look caretinha numa superprodução, dando aquele ar rebelde. Dá até para fazer o look total black. Mas o lance bacana é a mistura de materiais e texturas – a jaqueta perfecto fica show com vestidos bem leves. A versão atual, um pouquinho diferente da usada na década de 50/60, tem menos zíperes e é mais justinha, mas não perdeu suas características.

Tudo bem, sabemos que uma perfecto custa o olho da cara, mas vale investir numa peça que apesar de cara não sai de moda. Outro ponto forte é que o couro dura bastante, claro que requer alguns cuidados!!!!!

Só mais uma dica: para alongar o corpo, prefira as mais curtas!!!!

Historinha….
Em 1937, John Perfecto, americano descendente de italianos, criou a jaqueta perfecto. A peça original é assim: de couro, tem cinto na barra e zíper. O zíper de fechamento frontal faz um leve ângulo diagonal desde a altura da lapela. O modelo foi usado à exaustão nos anos 50 por dois rebeldes do cinema: James Dean e Marlon Brando. No inverno tropical, a jaqueta vai bem até com saia longa e salto alto, decretam os estilistas.



Curso em Campinas
maio 12, 2008, 2:31 pm
Filed under: Sem Categoria

Vai acontecer mais um curso bacana da querida Maria Alice Ximenes aqui em Campinas. Ele é voltado para profissionais, estudantes e interessados pelo mundo da moda. “O Novo Comportamento do consumidor de Moda” é o tema do dia 17 de maio apresentado pela coordenadora de Operações da Vicunha, Karina Rodrigues. O evento acontece no Espaço Arcadas. Informações e reservas pelo e-mail ximenes.mariaalice@gmail.com. Desejamos muito sucesso para vc Ximenes!!!



UP
maio 9, 2008, 8:31 pm
Filed under: Sem Categoria

O frio já chegou e vale a pena dar atenção às mangas e golas nessa estação. Essas áreas que emolduram o rosto passaram a ditar o desenho base da forma feminina. Do sucesso dos lenços e cachecóis até as esculturais golas dos casacos, os ombros, colo e pescoço passaram a ser superexplorados. Além de charmosas as golas também protegem nesses dias gelados. Tanto para as meninas como para os meninos, marcas nacionais como a Cavalera, Zoomp, Forum e muitas outras investiram na tendência, apostando na modelagem diferenciada das golas. Os volumes estão em alta e isso agente adoooorraaa!!!